top of page

CDC e SINDEPOR firmam Acordo Coletivo de Trabalho bianual, referente aos anos entre 2020 e 2022

Atualizado: 17 de set. de 2021

A Companhia Docas do Ceará (CDC) e o Sindicato dos Empregados em Empresas de Exploração de Serviços Portuários do Estado do Ceará (SINDEPOR) firmaram um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) bianual, referente aos anos de 2020/2021 e 2021/2022. Participaram da negociação a diretora presidente da CDC, Mayhara Chaves; a coordenadora de administração e recursos humanos, Bruna Tomaz; a assessora jurídica da CDC, Monique Ximenes; o presidente do SINDEPOR, Ronaldo Monteiro, e o guarda portuário e um dos diretores do Sindepor, Pedro Carvalho.




Com o avanço das discussões das negociações, conseguiu-se entrar em acordo bianual sobre os direitos da categoria a partir da data base de 1º de junho e também do período anterior, encerrando assim uma ação judicial de forma amigável entre as partes. As negociações ocorriam desde abril/2021 para o período 2021/2022, tendo também sido feito acordo sobre o período 2020/2021, o qual estava em dissídio coletivo.

No acordo firmado foi concedido reajuste salarial, com reflexos nas demais cláusulas econômicas, e alterada a escala dos empregados da Coordenadoria da Guarda Portuária (CODGUA) e da Coordenadoria de Gestão Portuária (CODGEP). O percentual de acréscimo tem interferência em todas as causas econômicas, salário base dos empregados, vale alimentação e salário mínimo para a categoria.




O acordo coletivo visa o entendimento entre direitos para empregado e empregador. “A Docas estava sem o ACT desde novembro de 2020, referente ao ACT 2019/20, onde empresa e empregados não conseguiram entrar em acordo. Havia uma ação de dissídio coletivo tratando dessa discussão”, explica a coordenadora da CODREH, Bruna Tomaz. Em março deste ano, a CDC iniciou a negociação do ACT 2021/22 e foi vista a possibilidade de fazer uma negociação bianual, não só garantindo os direitos a partir da data base, mas também os direitos do período anterior que estavam em discussão judicial.

Commentaires


Les commentaires ont été désactivés.
bottom of page