top of page

Companhia Docas do Ceará assina contrato com Fundação ligada à USP para realização de estudos náuticos no Porto de Fortaleza




A Companhia Docas do Ceará acaba de firmar contrato com a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), instituição formada por docentes e pesquisadores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, visando a realização de estudos técnicos especializados e simulações de manobra na área costeira do Porto do Mucuripe, para desenvolvimento de cenários para melhorar e ampliar as condições de navegabilidade e atracação de navios. Os estudos darão suporte a tomadas de decisões, no sentido de aumentar a produtividade operacional e a modernização da infraestrutura do Porto de Fortaleza.

 

Após a assinatura do contrato, na última sexta-feira, o Diretor-Presidente da CDC, Lucio Gomes, participou de uma reunião virtual com o Professor Dr. Eduardo Tannuri, da FDTE, com as presenças do Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária, Urbano Filho, e do Assessor Técnico da Presidência da CDC, Roberto Loureiro. Na oportunidade, o Professor Tannuri, que é Titular do Departamento de Engenharia Mecatrônica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, apresentou a metodologia de trabalho e o cronograma das entregas dos diversos produtos: “Produziremos vários estudos, como os de movimentos verticais, os de amarração para os navios de cruzeiro; toda a pesquisa será elaborada em um centro de circulação de manobras, onde já simulamos robôs fluviais para os navios da Amazônia, além de modelagens hidrodinâmicas das correntes marítimas para alguns portos”, disse.

 

“Precisamos estudar a possibilidade de aumento do nosso calado, para os navios de contêineres e para os de passageiros. Além disso, outro ponto importante é analisar a viabilidade da extensão do Porto, dentro dos limites da bacia, uma vez que estamos crescendo a operação – em breve, chegaremos a uma ocupação de quase 70% da área alfandegada”, comentou o Diretor-Presidente da Companhia Docas, Lucio Gomes.

 

Os estudos serão entregues dentro dos próximos 11 meses. Durante esse período, várias reuniões serão realizadas. Tempo para que os detalhes técnicos sejam melhor definidos, segundo o Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária, Urbano Filho. “Estamos objetivando o aumento da profundidade operacional para podermos receber navios maiores, inserindo, assim, o Porto no circuito de grandes rotas de longo curso, como a Ásia. Buscamos viabilizar um canal de acesso alternativo, devidamente sinalizado, o Barra-Oeste. E o aumento da capacidade operacional do Porto, gerando emprego e riquezas para nosso Estado”, disse.

 

 

Serviço: a FDTE é uma fundação de direito privado, independente e sem fins lucrativos, instituída em 1º de dezembro de 1972, tendo por objetivo principal desenvolver a engenharia, com apoio da pesquisa e do conhecimento da POLI-USP, por meio de projetos para o mercado e para a sociedade.

Comentários


bottom of page